Frete Grátis para compras acima de R$ 199,00 e 12x s/ juros

Bicho também fala! Como os cães fazem para transmitir suas emoções, dores e vontades?

Bicho também fala! Como os cães fazem para transmitir suas emoções, dores e vontades?

Às vezes a gente brinca “nossa que delícia seria se eles falassem", mas a verdade é que eles falam. A gente só precisa escutar e entender. Como tutores, é essencial aprendermos a reconhecer os sinais para que os nossos companheiros tenham uma vida mais saudável e feliz. Os cães são sensíveis e de rápido aprendizado, e demonstram as coisas de forma clara e acentuada. Você sabe que emoções a ciência já identificou nos animais?
  • Alegria
  • Amor
  • Dor emocional
  • Vergonha
  • Ciúmes
  • Medo
  • Otimismo
  • Pessimismo
  • Ansiedade
  • Submissão
  • Angústia

Mas, os sinais e comportamentos dos cães podem ser pedidos de ajuda que demonstrando não só o emocional mas também problemas clínicos. 

Os sinais

Os animais se comunicam utilizando sinais que podem incluir pistas visuais; auditivas ou baseadas em sons; químicas, envolvendo feromônios; ou táteis, baseadas em toque. A parte dos feromônios não conseguimos entender por sermos de outra espécie, mas muitos dos sinais visuais, auditivos ou táteis são identificáveis por nós. Existem alguns sinais mais universais, mas cada cão tem o seu jeitinho, e nós como tutores podemos aprender a língua do nosso peludo melhor que ninguém.
Sinais químicos:
Cães e gatos se comunicam usando feromônios. Eles se cheiram uns aos outros para coletar esta informação química e muitas das substâncias químicas são também liberadas na urina deles.
  • Cheirar outro cão é sinal de respeito e tranquilidade, estão se identificando e comunicando
Sinais auditivos:
Comunicação auditiva é a comunicação baseada no som. Mesmo não falando a mesma língua, podemos identificar diferentes sons que fazem.
ex: Latidos, uivos, gemidos, choros, grunhidos, rosnados, expiração curta e animada. 
  • Uivos podem sinalizar solidão ou falta de atenção, ou um chamado para uma fêmea no cio.
  • Latidos espaçados (10 a 15 segundos) são aquele jeitinho educado do cão nos pedir algo. A mensagem é “oi… humano… por favor…”.  será que ele está esperando você servir a comida dele? abrir a porta? levar ele passear? 
  • Latidos excessivos podem ser sinal de tédio e ansiedade
  • Latidos constantes com rosnado ou postura corporal agressiva são sinal de alerta, o cão está estressado e nervoso, acha que está em perigo e pode atacar para se defender.
  • Gemidos e choros baixos sinalizam dor constante
  • Gemido alto é dor aguda
  • Choro alto é sinal de impaciência, ansiedade, nervosismo ou dor: o cão está pedindo sua ajuda
Sinais táteis:
Toque! Além de passar informações, os sinais táteis também desempenham um papel importante nas relações sociais.
ex: mordiscar a mão do dono, empurrar com a cabeça, bater com o focinho, lamber, subir em cima, segurar com a pata, prender com o corpo.
  • Lambidas em pessoas ou cães são afeto, como as mães limpam seus filhotes, e os cães se cuidam entre eles. Demonstra confiança e tranquilidade
  • Lambidas compulsivas nas patas podem ser sinal de ansiedade, estresse, dor ou coceira, e até ferimentos
  • Morder suavemente a mão dos tutores é um convite à brincadeira
  • Cutucar com o focinho é o jeito delicado de chamar sua atenção, seja para carinho, brincadeira ou qualquer outra coisa
Sinais visuais:
Gestos, expressões faciais e posturas corporais.
ex: olhares, língua, posição e movimento do rabo, orelhas, inclinação da cabeça, agitação das patas (pisoteando), abaixar o dorso e levantar o bumbum, levantar a coluna encolhendo o rabo, eriçar os pelos das costas, arquear a barriga.
  • Orelhas para trás com outros sinais corporais de desconfiança podem ser sinal de nervosismo e agressividade
  • Orelhas para cima são sinal de curiosidade ou até confusão, como quem diz “o que é isso humano?”
  • Rabo abanando com o corpo relaxado é alegria, mas atente para o resto do corpo e o som do cão, pois pode ser agressividade também
  • Rabo empinado ou esticado na horizontal é alerta
  • Rabo entre as pernas é sinal de medo ou submissão, algo está assustando ele
  • Olhar fixo é curiosidade, atenção ou até desconfiança
  • Olhar de soslaio, de canto de olho, é desconfiança ou incômodo. Fique atento às orelhas e aos sons, para saber se essa desconfiança pode virar agressividade
  • Dormir de barriga pra cima é sinal que tudo está ótimo, o cão está à vontade com o espaço e as pessoas, se sentindo seguro
  • Agitação acima do normal pode ser ansiedade ou energia acumulada, veja se está tudo bem com ele e faça exercícios (brincadeiras, passeios) 
  • Arranhar compulsivamente (chão, paredes ou portas) pode sinalizar ansiedade, tédio ou até problemas de saúde. 
  • Postura arqueada (atenção às orelhas e sons) são posição de ataque, mas caso esteja em silêncio e com as orelhas tristes pode ser sinal de do abdominal
  • Andar com cabeça inclinada pode ser sinal de uma inflamação nos olhos, ouvido ou algo neurológico, assim como paralisia facial. 
Além do que o cão consegue comunicar com o próprio corpo, existe o que o comportamento dele pode sinalizar:
  • Um cão habitualmente tranquilo ficar agressivo ou morder pode ser um sinal de estresse, dor ou medo
  • Fazer malcriação como roubar e roer objetos queridos pelos donos, ou fazer xixi e cocô no quarto do humano são sinal de que ele está frustrado e descontente com algo
  • Comer suas vezes ou de outro animais (cropofagia) pode sinalizar um problema de saúde, estresse e ansiedade, ou que seu cão quer mostrar submissão a outro cão da casa
  • Se esconder sob mesas ou poltronas pode estar estressado ou com ansiedade e procurando se reconfortar
  • Correr atrás do rabo com frequência pode ser sinal de algum distúrbio neurológico 
  • Um cão que passa a sentir muita sede pode estar sinalizando problemas renais, hormonais ou diabetes
  • Letargia (ficar muito dentado, movimentos lentos) costuma ser sinal de diversas doenças
Sempre que você identificar que algo mudou no comportamento do seu cão, tente pensar:
  • Quando ele começou a fazer isso?
  • Em que momentos ele faz isso?
  • O que mudou na rotina dele?
  • O que mudou na minha rotina?
  • O que mudou na alimentação?
Assim você pode identificar o que está incomodando, o que está acontecendo, com base no sinal que ele está mandando. 
Consulte sempre (sempre) sue veterinárie, e observe com atenção seu peludo.
Além dos exames em dia, procure proporcionar uma rotina estimulante para seu pet ficar sempre saudável e feliz: 
  • Ofereça uma alimentação balanceada, seja alimentação natural ou ração de boa qualidade
  • Aposte no enriquecimento ambiental
  • Passeie diariamente 
  • Brinque! não só gasta energia como aproxima vocês 
E curta muito ele <3
Fontes: Khan Academy, Behavioral Biology por OpenStax College Biology, Communication Behavior in Animals de Dougkas Wilkin e Jean Brainard, Drogavet